.:: Hotéis e Pousadas
 Ordem Alfabética
 Por Bairros e Distritos
 Por tarifas
 Locais para convenções
 .:: Pacotes
 Ferias de Julho 2017
 .:: Saúde & Beleza
 Beleza e Estética e Spa
 Hospitais e Clinicas
 .:: Imóveis
 Casa de Temporada
 Imobiliárias
 Vendas
 Pousada Venda
 .:: Gastronomia
 Delicatessen e Adegas
 Restaurantes e Pizzarias
 .:: O que fazer?
 Bares
 Lazer & Aventura
 Compras
 Galerias de Arte
 Vila Antiga
 .:: Turismo
 Ecoturismo
 Eventos
 Fotos
 Historia
 Turismo Cultural
 Turismo Histórico
 Videos
 .:: Serviços & Utilidades
 Como Chegar
 Mapa
 Taxi e Transfer
 Músicos & Shows
 Hotel para animais
 .:: FALE CONOSCO
 Contato
  .:: Notícias
 

A herança dos antigos saraus 

Reza a lenda que a serenata chegou à região serrana do Sul fluminense graças a professores de piano, violino e outros instrumentos trazidos por fazendeiros, que acabavam se arriscando em apresentações em praças e ruas, chamando a atenção da comunidade. Os saraus públicos de então acabaram se transformando no fenômeno atual, que atrai turistas do mundo inteiro.“Querem cantar apenas músicas antigas, mas o repertório sempre se renova”, defende o violonista carioca Eduardo Marques, de 59, que trocou a agitação do Rio de Janeiro pela tranqüilidade de Conservatória. Parceiro do violonista Zé Maria Ferr no projeto Matinata, que promove serenatas diurnas aos sábados, Eduardo admite: a renovação é algo complexo. “A serenata, na verdade, tem segmentos variados”, explica ele, observando que o egocentrismo característico do meio musical acaba impedindo a unidade. “Mas é fundamental mexer nisso”, prega, enfatizando que Conservatória tem 138 anos de tradição. “O essencial é que sejamúsica romântica”, acrescenta,lembrando que a diversificação é fundamental para não entediar o ouvinte.Dependendo das atrações que lá se apresentam, Conservatória – com população estimadaem 5 mil habitantes – costuma contabilizar até 15 mil pessoas nos fins de semana, graças aos visitantes. A serenata se tornou atração turístico cultural graças aos  irmãos Joubert e José Borges de Freitas, que trocaram a vizinha Santa Izabel do Rio Preto (Serra da Beleza)pelo distrito de Valença.“Quem vem aqui está em busca do movimento serenateiro e seresteiro”, constata a professora Marluce Magno. Paralelamente às aulas do projeto Conservatória meu amor, ela mantém a loja de discos e livros Canto Lírico, concebida para fortalecer a identidade cultural do distrito.Na década de 1950, os irmãos Freitas assumiram a liderança da serenata, que percorre as principais ruas do distrito nas noites de sexta-feira e sábado, atraindo imensa legião de fãs. Nos anos 1960, eles criaram o Museu da Seresta e Serenata, na própria casa da família. A dupla organizou o acervo com livros, discos, partituras e documentos, que retratam o surgimento e o sucesso da serenata na região. Com a morte de José Borges de Freitas Netto, em 2002, o material foi transferido para a Casa da Cultura de Conservatória, onde os seresteiros se reúnem semanalmente, antes de partir em verdadeiro ritual pelas ruelas calçadas com pé de moleque. Cenário mais mineiro, impossível. Vale lembrar: as serestas são restritas ao ambiente familiar, além de restaurantes, hotéis-fazendas e pousadas da região.


Matéria do Jornal Estado de Minas de 29/08/2010




 .:: Publicidade

 .:: Apoio


Hotéis, Pousadas e Hoteis fazenda em Conservatoria por ordem alfabética
Hotéis, Pousadas e Hoteis fazenda em Conservatoria por Bairros
Hotéis, Pousadas e Hoteis fazenda em Conservatoria por tarifas
Hotel e Pousada para convençõesHotel e Pousada pacotes
Concervatória Com Br • O melhor conteúdo Conservatoria mg

© 2004-2008 Todos os direitos reservados • Desenvolvido por EComputer